Tamanho Fonte:

 
Untitled Document

A ARQUITETURA COLONIAL EM PARATY


Em meados do século XVII, quando a vila de Paraty estava começando a se formar, a elite social era formada pelos fazendeiros proprietários de engenhos de açúcar. Estava nas fazendas, portanto, e não na vila as melhores casas. As primeiras construções da vila eram em sua maioria feitas com paredes de madeira e tetos de sapé. Raras eram as construções feitas em pau-a-pique e com telhas de barro e, mesmo destas, poucas restaram em pé.

As edificações do século XVIII encontradas hoje no centro histórico são construções simples, a maior parte térreas, feitas de pau-a-pique e com pouca preocupação estética. As vergas (peça de pedra ou madeira que se põe horizontalmente sobre a ombreira ou batente) são de linhas retas.

Os sobrados, construídos a partir da segunda metade do século XVIII, eram muitas vezes feitos sobre casas térreas já existentes, motivo pelo qual percebe-se em alguns deles, misturas de estilos, como por exemplo portas com vergas retas no piso térreo e, janelas com vergas curvas no piso superior.

Com a elaboração do Registro de Posturas da Câmara Municipal da Villa de Paraty em 1829, as edificações passaram a ter uma padronização e maior preocupação estética. Os beirais das casas, por exemplo, definiam a posição social do proprietário: os do tipo cachorro eram de pessoas simples, os de cimalha eram dos mais ricos, as beiras-seveiras eram mais utilizadas nas construções religiosas e militares.



Abaixo alguns artigos do Registro de Posturas da Câmara Municipal da Villa de Paraty de 1829:

Artigo 2: Querendo qualquer edificar ou reedificar ... será obrigado a requerer ao fiscal para lhe fazer alinhar pelo Arruador ... seguindo a melhor direção da rua

Artigo 3: Os edifícios serão levantados sobre pilares de pedra e cal. As casas térreas terão altura de dezoito palmos (aproximadamente quatro metros), as de sobrado trinta e cinco (aproximadamente oito metros) incluída a madeira em umas e outras. As janelas e as portas terão cinco palmos (um metro e dez centímetros) de largo, de altura estas doze e aquelas sete ...

Artigo 5: Os edifícios que de novo se fizerem ou se reedificarem serão aformoseados na frente e externo das vias onde findar o pé direito sem cimalha ....

Artigo 10: Os que possuem terreno ... serão obrigados a fechá-lo com parede rebocadas...

Artigo 12: Dentro dos marcos da Villa é proibida a cobertura de casas de palha ou de sapê

A beleza das casas de Paraty está em sua simplicidade. (Foto: André Luiz)


Detalhe curioso sobre a arquitetura colonial são as alcovas - cômodos sem ventilação, situados no centro das habitações, utilizados como dormitório, despensa ou capela - que apareceram com a necessidade de se aproveitar espaços quando as casas eram contíguas.

No século XIX começou a procura por maior privacidade dentro das casas com a introdução de treliças - grade de madeira - nas janelas e portas, permitido a ventilação e impedindo a visão para dentro das casas. As janelas de vidros, no estilo guilhotina, chegaram no Brasil junto com a família real, no início do século XIX, mas até o fim desse mesmo século ainda era considerado artigo de luxo.